Obra Licenciada por Creative Commos

Licença Creative Commons
Este obra foi licenciado sob uma Licença Creative Commons Atribuição.

Aqui trataremos de tudo aquilo que nos emociona.

A vida, em todas as suas formas e manifestações, nos leva a fortes emoções.

Espero poder traduzir, em versos e rimas, as expressões da vida com as quais eu tiver contato.



Luzia M.Cardoso
http://twitter.com/#!/luzia48

Direitos autorais registrados na FBN

domingo, 13 de janeiro de 2019

Tempo Disparado




Tempo Disparado


No horizonte, desponta um tempo...
Aquele tempo por nós sonhado,
Que, atrelado a contratempos,
Dá rodopios no passado.

No horizonte, desponta um tempo...
Aquele tempo dos roseirais,
Que botinas, bem-mandadas,
Desejaram funerais.

No horizonte, desponta um tempo...
Aquele tempo nos punhos cerrados,
Que, entranhado nas memórias,
Foi por ele mesmo libertado.

No horizonte, desponta um tempo...
Aquele tempo de dar as mãos,
Que se expande além de muros
Transformando-nos irmãos.

No horizonte, desponta um tempo...
Esse tempo já vem disparado
E não há quem o detenha,
Pois o tempo é por ele próprio comandado.

Luzia M. Cardoso

quarta-feira, 2 de janeiro de 2019

Estações





Estações


Quando as sombras tomaram a rampa,
O sol se escondeu.
Nuvens de fumaça acortinaram o horizonte,
Enquanto milhares de olhares nublaram ao mar.

E o dia foi tragado pela noite alta.
A lua, já minguada, declinou
Nas ondas pororocas do oeste.

E as sombras adentravam ao salão
 já sufocado pela poeira secular,
encantonada por teias milenares
Que se enredavam aos castiçais e luminárias.

Um silêncio uivante invadiu as cercanias,
Enquanto os ouvidos encerados se afinavam
Às línguas afiadas das víboras mercantes.

E todas as rosas se fizeram rubras,
Assim como os cravos e cravinas,
Os hibiscos, as sempre-vivas...
Intuitivas, as flores abriram ao vento
As suas sementeiras.

Luzia M. Cardoso



Arquivo do blog